Geral Pará

Moradores do entorno da APA Araguaia concluem mais um módulo de capacitação em Meliponicultura

Ministrado por técnicos do Ideflor-Bio, o curso foi retomado em dezembro, após ser interrompido pela pandemia de Covid-19

28/12/2021 às 22h30
Por: Pará1 Fonte: Secom Pará
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Pará
Foto: Reprodução/Secom Pará

Técnicos do Ideflor-Bio repassam aos moradores o conhecimento necessário ao manejo das abelhas nativas da Amazônia
Técnicos do Ideflor-Bio repassam aos moradores o conhecimento necessário ao manejo das abelhas nativas da Amazônia - (Foto: Ascom / Ideflor-Bio)
Moradores das comunidades do entorno da Área Proteção Ambiental (APA) do Araguaia, no Sudeste do Pará, concluíram o II Módulo da capacitação em Melipolinicultura, com o tema “Biologia e Manejo de Abelhas Nativas da Amazônia”, que visa proporcionar aos participantes a formação no manejo básico das abelhas nativas sem ferrão. O módulo foi ministrado por técnicos do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio), em dezembro, na sede da Gerência Administrativa da Região do Araguaia (GRA), no município de São Geraldo do Araguaia.

Vinte e dois moradores da APA Araguaia já atuam desde 2018 no Projeto “Abelhas nativas: Importância para Agricultura Familiar e Conservação da Biodiversidade”. Neste projeto, o objetivo é promover apoio à geração de renda e valorização das comunidades que vivem na APA.

Moradores de comunidades do entorno da APA Araguaia são beneficiados pela iniciativa do Ideflor
Moradores de comunidades do entorno da APA Araguaia são beneficiados pela iniciativa do Ideflor - (Foto: Ascom / Ideflor-Bio)

A capacitação, iniciada em 2019, foi interrompida pela pandemia de Covid-19, e retomada em dezembro deste ano. O reinício do curso só foi possível em razão do avanço da campanha de vacinação contra a doença, conforme indicam dados da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sespa). A equipe técnica do Ideflor-Bio e das instituições parceiras nesse trabalho de campo já concluíram a imunização com as duas doses da vacina contra a Covid-19.

Etapas- O curso é dividido em quatro etapas. O Módulo l compreende conceitos gerais e noções básicas sobre a biologia das abelhas e a meliponicultura, apresentação dos meliprodutos (diferentes tipos de mel, pólen e própolis), ferramentas e equipamentos necessários à atividade, enquanto o Módulo II aborda o manejo de colônias, identificação e controle de inimigos naturais das abelhas, plantas melitófilas (sistema de polinização em que determinadas espécies de plantas atraem insetos, especialmente abelhas e vespas, para que possam fazer a polinização), além da legislação sobre meliponicultura.

Já os Módulos III e IV compreendem a confecção de “caixas racionais”, que facilitam a multiplicação dos ninhos e a colheita do mel. Este tipo de caixa é adequada ao cultivo de várias espécies de uruçus paraenses, especialmente a cinzenta (Melipona fasciculata), a amarela (M. flavolineata), a taquaruçu (M. seminigra do Tapajós) e a boca-de-renda-do-Pará (M. seminigra pernigra). Os módulos incluem ainda palestras sobre empreendedorismo, e serão realizados no primeiro semestre de 2022.

Concluintes do Módulo II da capacitação em Melipolinicultura, o manejo de abelhas sem ferrão
Concluintes do Módulo II da capacitação em Melipolinicultura, o manejo de abelhas sem ferrão - (Foto: Ascom / Ideflor-Bio)

A meliponicultura é uma atividade agroecológica que trabalha a criação racional de espécies de abelhas nativas, ainda pouco desenvolvida no Pará. Entretanto, é uma atividade que vem ganhando destaque em todo o Brasil como prática agrícola sustentável, principalmente por ter condições de ser desenvolvida por comunidades tradicionais dentro de Unidades de Conservação, incentivando o interesse de criadores e dos órgãos de apoio às atividades voltadas à agricultura familiar e de conservação. É considerada uma excelente alternativa para a geração de renda.

Foto: Ascom / Ideflor-Bio
Técnicas específicas- A presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson, destacou que o Instituto fomenta a difusão do projeto da meliponicultura e capacita os comunitários, por meio dos técnicos do órgão, apresentando técnicas específicas para instalação das colmeias, manuseio e alimentação, entre outras ações. No decorrer da capacitação, os comunitários recebem materiais necessários para investir no processamento da cadeia produtiva do mel e garantir segurança e produtividade.

O participante do curso José Eustáquio, após agradecer a oportunidade que o Ideflor-Bio proporcionou aos moradores do entorno da APA Araguaia, ele disse que “além das aulas presenciais, recebemos a visita de instrutores do Instituto em nossas propriedades, orientando quanto à forma correta de instalação e manejo do nosso meliponário, um verdadeiro privilégio. Cumprimento e agradeço ao Ideflor-Bio na pessoa da presidente Karla Bengtson, da diretora de Unidades de Conservação (UC) Socorro Almeida, da gerente da Região do Araguaia, Laís Costa, e as instrutoras Soraya Alves e Roberta Farinha, pela oportunidade que bate em nossas portas proporcionando manhãs de novos horizontes”.

Por Aldirene Gama (IDEFLOR-BIO)
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio