Geral Pará

Sespa e UFPA levam assistência em saúde para três aldeias da etnia Kaiapó

A equipe contou com a participação da médica indígena Eli Hywyxy Baniwa, que destacou o empenho do Estado em levar o atendimento até as aldeias

22/11/2021 às 23h30
Por: Pará1 Fonte: Secom Pará
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Pará
Foto: Reprodução/Secom Pará

A médica Eli Baniwa, da UFPA, trabalhando pela saúde de seu povo: um sonho realizado
A médica Eli Baniwa, da UFPA, trabalhando pela saúde de seu povo: um sonho realizado - (Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará)
"Eu estou muito feliz com a presença da equipe de saúde do Estado, porque é a única que veio até aqui, dentro da aldeia, para fazer atendimento pra nós. É muito importante. Espero que esse trabalho continue", disse o cacique Bepngrati, da aldeia Pyngraiti, ao receber os serviços da Expedição "Saúde por todo Pará em territórios indígenas", promovida pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), tendo entre as instituições parceiras a Universidade Federal do Pará (UFPA). Nesta segunda-feira (22), a Expedição atendeu moradores das aldeias Jabúi, Pykatoti e Pyngraiti, da etnia Kaiapó, que fazem parte do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Rio Tapajós, localizado no município de Itaituba, na região Sudoeste.
Serviços de saúde e coleta de material para pesquisa fazem parte da Expedição
Serviços de saúde e coleta de material para pesquisa fazem parte da Expedição "Saúde por todo Pará em territórios indígenas - (Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará)

Segundo o médico e professor da UFPA, João Guerreiro, que atua em territórios indígenas há 30 anos, a Universidade atua na Atenção Básica de Saúde durante a ação, com exames laboratoriais e entrega dos resultados no local. "Me sinto muito feliz de vivenciar a participação do governo do Estado nesta Expedição; é simbólico. Nos ressentíamos muito em não ter antes esse apoio nessa atividade. Era um nó que existia e começa a ser desatado pela atual gestão. A participação do Poder Executivo estadual é oportuna e faz muita diferença. É sempre muito bem-vinda", afirmou o professor. 

O médico João Guerreiro durante o atendimento aos indígenas
O médico João Guerreiro durante o atendimento aos indígenas - (Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará)
Com o objetivo de realizar diagnósticos epidemiológicos e traçar um perfil da situação de saúde das comunidades indígenas, para que sejam implementadas políticas de saúde que atendam às demandas mais prioritárias desta população, a Universidade levou, em parceria com a Sespa, profissionais de saúde e um laboratório para os territórios indígenas.

Pesquisa sobre vírus- A biomédica e doutoranda Isabella Nogueira, que atua no Laboratório de Virologia da UFPA, participa da Expedição, que realiza exames laboratoriais, parasitológicos, urianálise e bioquímicos. A coleta de dados é feita também por meio de um questionário, para traçar um perfil sobre a dinâmica de dois principais vírus, o SARS Cov-2, causador da Covid-19, e o HTLV, vírus sexualmente transmissível. 

Cacique Bepngrati, da aldeia Pyngraiti
Cacique Bepngrati, da aldeia Pyngraiti - (Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará)
"Queremos entender como os territórios indígenas reagem a uma infecção como a Covid-19. Fazemos perguntas sobre os sintomas prevalentes na população, se houve agravamento, se alguém faleceu por conta da doença, se há comorbidades relacionadas, entre outras", informou a pesquisadora.

Para segunda liderança da aldeia Jabúi, Beptotire, "o atendimento é muito bom. Estou muito feliz com esses serviços de saúde dentro da aldeia porque é ótimo para a comunidade". 

Representatividade- Eli Hywyxy Baniwa é médica, faz mestrado em Saúde Coletiva pela UFPA e também participa da Expedição. A experiência de ser indígena e atender nos territórios, para a pesquisadora, representa mais autonomia e um avanço para os povos indígenas, que assim fortalecem sua voz.

A parceria entre governo do Estado e UFPA permite levar serviços de saúde direto às aldeias
A parceria entre governo do Estado e UFPA permite levar serviços de saúde direto às aldeias - (Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará)

"Era o meu sonho trabalhar para outros indígenas. São 521 anos lutando e sendo resistência. Nós estamos aqui, somos capazes, e não incapazes como fomos tratados por muito tempo, quando afirmavam que precisávamos de civilização. Nós temos a nossa própria civilização e nossa cultura, que nos trouxe até aqui. É uma felicidade imensa atender meus parentes", ressaltou a médica.

Liderança da aldeia Jabúi, Beptotire aprovou o atendimento
Liderança da aldeia Jabúi, Beptotire aprovou o atendimento - (Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará)
Durante os atendimentos, Eli Baniwa frisou ainda que o governo do Estado vem trabalhando para levar assistência de forma diferenciada, disponibilizando profissionais de diferentes áreas para atuar dentro dos vários territórios indígenas existentes no Pará. "Agora estamos juntos ao Governo enfrentando todos os obstáculos que encontramos na saúde pública, e levando assistência aos indígenas", acrescentou a médica.

Por Giovanna Abreu (SECOM)
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio